logo IMeN

Perspectivas da Terapia Nutricional no pós operatório de Cirurgia Cardíaca

Autores:
Daniel Magnoni
Celso Cukier

O desenvolvimento de nutrientes órgão - específicos, atuando na regeneração da mucosa intestinal , incrementando a resposta imunologica como a produção de anticorpos e a atividade fagocitica , proporcionam uma antevisão da dieta hiposmótica e direcionada.
Ações farmaco induzidas pela ação e uso do hormônio de crescimento
Ácidos graxos, triglicerides de cadeia média e bloqueadores da resposta catabólica .poderão contribuir na falência de múltiplos órgãos e inibir situações contemplativas de estágios terminais. Nesse aspecto, a suplementação de vitaminas e antioxidantes pode possuir ação sinérgica à terapia nutricional instituída.(1,2,3)
Investigações têm procurado atuar sobre o sistema metabólico da caquexia, que pode ter influências das citocinas. Anker et al (1997) estudaram 16 pacientes portadores de insuficiência cardíaca com perda de peso de 8 a 35% nos últimos seis meses. Comparados ao grupo controle, os pacientes com caquexia cardíaca apresentaram menor nível sérico de sódio plasmático e aumento da norepinefrina e epinefrina, cortisol, fator de necrose tumoral (TNF) alfa e hormônio do crescimento humano. A modificação hormonal foi diretamente proporcional ao nível de caquexia e ao desbalanço metabólico apresentados pelos pacientes. (4)
Pacientes portadores de deficiência de hormônio do crescimento (GH) possuem massa ventricular reduzida, baixa fração de ejeção e os índices de função ventricular sistólica deprimidos durante exercício. A administração exógena do GH poderá promover aumento da massa miocárdica e reduzir o tamanho da câmara ventricular esquerda resultando em melhora do estado hemodinâmico e clínico. (4,5,6,7)
A terapia com GH é possivelmente promissora no auxílio ao tratamento da insuficiência cardíaca congestiva, miocardiopatia dilatada e do deficiente estado nutricional da caquexia cardíaca .(5,6)
Por fim a conscientização da necessidade de formação e reciclagem dos profissionais atuantes na área de cuidados especiais , notadamente a nutroterapia , contribuirá à rápida implementação do método e proporcionará maior experiência dos grupos.

Referências

1-Council on Scientific Affairs - Vitamin preparation as dietary suplements and as therapeutic agents. JAMA.1987; 257:14
2-Dempsey, D.& Hodges, R. E. - Parenteral vitamin therapy in hospital patients. In Rombeau, J.L. & Caldwell - Parenteral Nutrition., ed. W.B. Saunders Company,pp 154, 1986
3-Levenson, S.M. - Micronutrients (vitamins, trace minerals). Sixteenth Clinical Congress (ASPEN) 1992; 19:189-198
4-Lombardi G; Colao A; Marzullo P; Ferone D; Longobardi S; Esposito V; Merola B Is growth hormone bad for your heart? Cardiovascular impact of GH deficiency and of acromegaly. J Endocrinol 1997; 155:S33-7
5-Fazio S; Sabatini D; Capaldo B; Vigorito C; Giordano A; Guida R; Pardo F; Biondi B; Saccà L - A preliminary study of growth hormone in the treatment of dilated cardiomyopathy N Engl J Med 1999; 334:809-14
6-Melki, A.L.; Bulus, N.M.; Abumrad, N.N. - Trace elements in nutrition. Nutr. Clin. Pract. 1087; 2:230-40,
7-Recommended dietary allowances (RDA) - 10th edition. Subcommittee on the tenth edition of the RDAs Food and Nutrition board Commission on Life Sciences. National Research Council. National Academy Press Washington, D.C., 1989.

trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • administracao@nutricaoclinica.com.br