logo IMeN

Fibras dietéticas - Aspectos Gerais

No aspecto relacionado à ingestão de fibras, sobressaem as características dietéticas do grupo classificado como solúvel.
As fibras solúveis (pectina, as gomas e certas hemiceluloses), encontradas em frutas, aveia, cevada e leguminosas podem favorecer o paciente diabético. Entre os efeitos de sua ingestão encontra-se o maior tempo de trânsito intestinal, menor esvaziamento gástrico, retardo da absorção de glicose, e menor glicemia pós-prandial, existem inúmeros trabalhos científicos relacionando decréscimo nos níveis de colesterol total e LDL colesterol com o uso regular de alta participação de fibras na dieta regular (veja maiores detalhes de fibras e dislipidemias na seqüência desse texto).
A recomendação de fibras para indivíduos diabéticos é a mesma que para indivíduos não-diabéticos, sendo de 20-35 g/dia, sendo de 25 a 50% de fibras solúveis.
O fracionamento da alimentação deve ser acompanhado do fracionamento de fornecimento dos suplementos de fibras. Os compostos de fibras industrializados podem proporcionar facilidades posológicas e maior aceitação terapêutica.(18,19,20)
As fibras promovem uma significante diminuição nos níveis de glicemia pós prandial, o mecanismo proposto para essa ação clínica coloca como fatores preponderantes a diminuição no tempo de esvaziamento gástrico e a diminuição na digestão de carboidratos. (21,22)
No quadro a seguir são elencadas as justificativas sócio culturais para a associação de dietoterapia de suplementação em fibras ao aporte de fibras em produtos comerciais.(23,24)

Validação à indicação de suplementos de fibras

1- Certeza da dose consumida

2- Facilidade de manipulação

3- Facilidade de administração

4- Relação custo/benefício atraente

5- Aceitação cultural

Fonte IMeN – Instituto de Metabolismo e Nutrição, 2002

- Excreção fecal aumentada de esteróis neutros , bem como de ácidos biliares

- Ação “sequestrante”de certas fibras , que podem retardar a absorção do colesterol.

- As bactérias no cólon convertem ác. biliares primários a secundários , os quais são menos bem absorvidos .

- A depleção dos ác. biliares através da excreção fecal desvia colesterol para o pool dos ác. biliares, e menos colesterol fica disponível para incorporação nas lipoproteínas e subsequente lançamento na corrente sanguínea.

As fibras solúveis são quase completamente fermentadas no cólon a ác. graxos de cadeia curta, principalmente acetato, propionato e butirato. Estes são absorvidos via veia porta e parecem inibir a síntese hepática do colesterol.

- No intestino, o colesterol é incorporado aos quilomícrons, VLDL e HDL, enquanto o fígado secreta VLDL, que contém colesterol.

- Possivelmente, as fibras influenciem o tamanho dos quilomícrons provenientes do intestino, e isto influenciaria o metabolismo dessas lipoproteínas.

- As fibras podem alterar a proporção de colesterol ligado aos quilomícrons, VLDL e HDL

Referências Bibliograficas:

1. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Roca, 1994;409-l6.
2. Augusto AL, Alves DC, Mannarino IC, et al. Terapia Nutricional. Rio de Janeiro: Ateneu, 1993;pp.196-206.
3. Krause MTA, Mahan LK. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Livraria Rocca, 1994;pp.559-90.
4. American Diabetes Association. Nutrition recommendations and principles for people with diabetes mellitus. Diabetes Care 1997;20(suppl 1):514-7.
5. Loeb C. Tratado de Medicina Interna. 14a ed. Rio de Janeiro: Ed. Interamericana, 1977;pp.2005-30.
6. ALBERTINI SM, NICOLAU JC- Recomendações nutricionais no cardiopata com diabete melito e hiperuricemia RSCESP 1997;4:617-23.
7. Harris M, Hamman R, eds. Diabetes in America. NIH Publication, no. 85-1468, 1985.
8. ADA Reports. Position of the American Dietetic Association: health implications of dietary fiber. J Am Diet Assoc 1993;93(12):1446-7.
9. American Diabetis Association. Position statement nutrition. Recommendations and principles for people with diabetes mellitus. Diabetic Care 1998;21:32-5.
10. Laakso M. Lipids and lipoproteins as risk factors for coronary heart disease in non-insulin-dependent diabetes mellitus. Ann Med 1996;28:341-5.
11. Cadeddu G, Fioravanti P, Antonicelli R, et al. Iperuricemia e rischio cardiovascolare: studio epidemiologico nell'anziano. Minerva Cardioangiol 1995;43:29-34.
12. Kissebah AH. Intra-abdominal fat: is it a major factor in developing diabetes and coronary artery disease? Diabetes Res Chin Pract 1996;30(suppl):25-30.
13. Mahan LK, Arlin MT, eds. Krause - Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Roca, 1994;559-90.

14. Sociedade Brasileira de Cardiologia. II Consenso Brasileiro sobre Dislipidemias. Arq Bras Cardiol 1996;67:1-5.
15. Soler NG, Bennett NA, Pentecost BL, et al. Myocardial infarction in diabetic. Q J Med 1975;44:125-32.
16. Wardlaw GM, Insel PM, eds. Lipids. Perspectives in Nutrition. 3rd ed. Boston: McGraw-Hill1995;pp.108-48.
17. Muls E - Nutritional recomendations for the person with diabetes. Clin Nutr 1998; 17:18-25
18. Franz MJ, Horton ES, Bantle JP, et al. Nutrition principles for de management of diabetes and related complications. Diabetes Care 1994;17:490-518.
19. Goodkim G. Mortality factor in diabetes. Occup Med 1975;23:105.
20. Grossman E, Messerli FH. Diabetic and hypertensive heart disease. Ann Intern Med 1996;125:304-10.
21. Rocha DM. Problemas do paciente diabético. Rev Bras Med 1988;45:205-7.
22. Pyorala K, Steiner G. Will correction of dyslipoproteinaemia reduce coronary heart disease risk in patients with non-insulin-dependent diabetes? Need for trial evidence. Ann Med 1996;28:357-62.
23. National Institute of Health. Consensus development conference on diet and exercise in non-insulin-dependent diabetes mellitus. Diabetic Care 1987;10:639-44.
24. National Institutes of Health: health implications of obesity (Consensus Development Conference Statement). Ann Intern Med 1985;103:147-51.
25. Janka HV. Increased cardiovascular morbidity and mortality in diabetes mellitus: identification of the high risk patient. Diabetes Res Clin Pratc 1996;30(suppl):85-8.
26. Martinez TR, Novazzi JP, Vale AL, et al. Obesidade e coração. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 1996;4:447-51.
27. Mahan LK, Arlin MT. Cuidado nutricional no tratamento de diabetes melito e reação hipoglicêmica. In: Krause - Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Roca, 1994;735-43.
28. Reboux P. A Mesa e as Sobremesas dos Diabéticos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.
29. Neves N.M. Os Elementos da Dieta no tratamento da Doença Cardiovascular. In Nutrição e Doença Cardiovascular,1997; 4:49-61.
30. Pereira MA, Pins JJ. Fibra Alimentar e Doença Cardiovascular: Avanços Experimentais e Epidemiológicos. Current Atheroscerosis Reports, 2001; vol 1 n°1: 37-46
31. III Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias. Arq Bras Cardiol 2001; vol77 ( supl III)
32. Penagini,R. The effect of dietary guar on serum cholesterol, intestinal transit and fecal output in man. Am. J. Gastr., 1986; 81: 123-5.
33. Bijlani,R.L. Dietary fibre: consensus and controversy. In Progress in Food and Nutritions Sciense, 1985;9:343-93.
34. Story,J.A. The role of dietary fiber in lipid metabolism in Advances in Lipid Research,1981;18:220-45.
35. Burkitt, D.P. Dietary fiber and disease. J.A.M.A.,1974;229:1068-74
36. Márquez LR. A fibra terapêutica
37. NCEP- National Cholesterol Education Program. Second Report of the Expert Panel on Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults. In Circulation, 1994; 89(3): 1364-1405.

trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • administracao@nutricaoclinica.com.br